VOO DE VERTIGEM


Uma voz de fora deste mundo de lembranças
Convida-me a não esperar mais por ti
Aqui sozinho amarrado de pés na lama

Preciso das tuas asas de indagações e esperanças

Preciso que me leves a voar na tua nuvem
Que me apertes fundo as mãos e o coração
E me leves a voar num voo de vertigem

A esse lugar verde e silencioso, entre as colinas da solidão
Leva-me onde nenhuma cotovia alguma vez cantou
A esse lugar banhado pela névoa, fresco e delicado

Na tua invasão, e o trovão e o grito (uivado)

E conflito indeterminado – leva-me agora mesmo

Leva-me à tua ilha nativa
Ao teu esconderijo de noites de deriva

Sem desculpas ou contingências

Sem ordens ou exigências

Sou teu soldado e tua estiva

Espero a tua nobre guarida

E sair desta guerra surda sem uma ferida

Mas com teu amor entre os meus segredos

E viver nesse recanto sozinho contigo
Meus gritos, meus desejos

E meus medos…
Foto: E nunca me disseram o nome daquele oceano... - Mariah (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário