ADMIRARÁS AS MINHAS LÁGRIMAS NO TEU CHÃO


Declaras que me vês vagamente
Por um vidro onde não brilha a imagem
Os meus tambores malham na mesma mensagem
E os meus ritmos nunca se modificam
Anuncio que os meus caminhos são arrojados
Que vou voar do homem ao homem
Se sou somente uma sombra para ti
Mudarei a minha imagem
Limparás a tua torpe visão
Admirarás as minhas lágrimas no teu chão
Ouvirás o tempo tão inelutável
Ouvirás o batimento do sangue na minha veia
Numa dança formidável
Com os teus olhos na minha plateia
Sim, os meus tambores batem à noite
E os meus ritmos nunca se modificam.

Foto: Liberta-te - Ruben Graça (olhares.aiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal