ESPELHO MEU, ESPELHO MEU


Nos resíduos da vergonha matinal
Cheio da culpa de uma figura reflexa no espelho
Selvagem, extremo, grosseiro, cruel
Louco em perseguição de algo
Na figura reflexa me aconselho
Nas respostas que procuro
Em vidros de espelho brilhante
Às perguntas que coloco
Vêm respostas delirantes
E dia após dia, de manhã
A mesma vida, o mesmo instante...

Foto: Heliz (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal