IMENSIDÃO


Nas margens inanimadas
De um Oceano brilhante
Uma torrente de raios de sol
Num mundo arruinado
Deixam o seu mundo calado
À espera de uma vida distante
Tensões de música contente
Tão triste e tão animada
No pensamento, um contraste estranho
Assalta-lhe a mente escurecida
Em tons de cinzento e castanho
Sobe ao topo do mar
Como viajante da extremidade do mundo
E num instante perde a noção
Da imensidão de um amor profundo.

Foto: O Mar - Miguel Afonso (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal