ENSAIO DE BRINCAR (ou os corações na areia)



Um dia escrevi o teu nome na praia
Que vieram as ondas lavar
Escrevi-o segunda vez
Mas veio a maré e desfez
Ensaio este brincar
Sempre que vou à praia
E teu nome desaparece outra vez
Um amor é coisa de mortal
Assim para imortalizar
Nada melhor que um papel
Para escrever e inventar
Aquilo que me ilude
E deixar por apagar

Num poema que me confunde
O meu verso e a sua virtude
Numa praia por desbravar.


Foto: autor desconhecido
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal