REMINISCÊNCIA


A minha alma renasceu
Ao amanhecer nos teus olhos
E ouviu e escutou uma voz de um pássaro solitário
Uma canção, uma nota, um grito
Num compasso de amor binário
Inclinei-me para fora da alvorada para ouvir
Na minha solidão do mundo alado
Carregado de um pensamento de amor
Que me fere de tão afiado
Ferido e ao abandono em mim
Então lembrei-me como e acordei do sono
E como são feitos os céus, os oceanos, e tu
Como pode ser assim de sonho
Um amor expresso num grito nu e cru.
Foto: A escada sem corrimão - Mariah (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal