O DESEJO DE INDIFERENÇA


O desejo de indiferença por ti
Mata a minha imaginação
Quando vens em passos ligeiros
E agarras sequiosa a minha mão
O desejo do meu pensamento
Mata o meu silêncio interior
Quando me olhas deslumbrada
E fazes renascer a minha dor
O desejo de te amar
Mata as minhas paixões da vida
Quando me queres só para ti
E me deixas neste amor
Indefeso, sem saída
O desejo de ser eu
Nesta breve passagem
Está viciado pelo desejo
De olhar e vibrar sempre
Calado, com a tua imagem.

Foto: Não me digas... - Deee (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal