A VOZ DA INOCÊNCIA


A flor do girassol
Fita, segura, os céus claros
Acres de afluência brilhante, amarela
Mimetismo
Da voz da inocência.

A terra vermelha
Tece um silêncio que se dissolve
Na selva do vale
Os fantasmas são exilados da meditação
Pela voz de inocência.

Na teia escolhida
Voa uma mosca, vencida à submissão
As pastagens de mundos alados são fechadas
E a rapina treme
Com a voz de inocência.

Foto: os adoradores do sol - Maria Isabel Batista (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal