MINHA CULPA



Culpa, minha única companheira no meio das gotas de chuva
Na intranquilidade, assalta-me uma enorme dor
A culpa, a emoção e a pouca razão
Que sinto quando ouço o teu nome
Culpa minha, não sei se sou ainda do teu coração.

Meu único desejo é ser molhado pelas minhas lágrimas
Que lavam a alma em mim
E afogam minhas águas
E quando o céu começa a acalmar enfim
Esperar as tuas doces tréguas
Aqui ficarei quieto assim.

Foto: o dia depois de amanhã II... - Hugo Tinoco
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal