TRISTE FIGURA



Quando penso na triste figura
Que fiz ao dizer-te o que disse
Abra-se uma brecha no chão
Caio e desapareço
À espera da tua mão

Não queria magoar-te
Nem tão pouco desiludir
Sei que não imaginas
Neste preciso momento
O que posso estar a sentir

Aquelas simples palavras
Foram farpas cortantes
Que lancei para mim
Ainda que por breves instantes
Me possas dizer que sim

Ouviste o que te disse
Foste doce e inteligente
Soubeste melhor do que eu
Ouvir e calar
Uma paixão indigente.

Foto: A morada do meu silêncio - MARIAH (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal