OS TEUS SAPATOS DE CETIM


Vestiste os teus sapatos de cetim
E a blusa carmesim
Do alto do teu pedestal
Da varanda teu quintal
Nem quiseste olhar para mim

Calçaste os sapatos de verniz
E aquela saia petiz
Estavas linda e vaidosa
Passaste e não me viste
Levavas na mão uma rosa

Aos ombros um xaile encarnado
Com um belo e lindo bordado
Vais leve como o vento da rua
Meu olhar fugaz e directo
Só queria ver-te nua

Despida das veste que usas
Tua pele me enternece
Me acalenta a vã esperança
Que um dia ao luar

Te possa convidar para uma dança

Foto: Blossom - Graça Loureiro (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal