NUMA NOITE DE SUAVE NEVOEIRO


A brisa do mar revolto
Mar de tubarões e sereias
Outros peixes e baleias
Que abraço com carinho
Traz consigo as estrelas
Que me indicam o caminho
De dia e de noite à maresia
Na ternura do nevoeiro
Penso na saudade de que tenho
Que sejas minha um dia
Pode tardar a chegar
Embarcado num baleeiro
Esse amor que trazes contido
Dentro do teu coração
Será meu um dia
Cravar-se-á em mim como um arpão
Tentarei fazer-lhe frente
Não resistirei à ternura
De te beijar primeiro
Num acesso de sã loucura
À brisa do mar
Numa noite de suave nevoeiro.

Foto: Juliana - Márcio Freitas (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal