A INCONSTANTE LEVEZA DO TEMPO


Inconstante a leveza do tempo
Que não me deixa aprender
A viver a vida pela vida
Sem encontrar um contratempo
Sem vencer as barreiras
Sem energia de viver
Encontro uma vida perdida
De energias derradeiras
Inconstante a leveza do tempo
Constante a necessidade de viver
Como se a vida fosse
Um efémero,
Triste ou alegre,
Mas decisivo passatempo.


Foto: O tempo passa, o Amor não - Ana Rita Rodrigues (olhares.aeiou.pt)

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal