TEMPESTADE


Vejo da minha janela azul
Da janela do meu quarto
A imensidão do céu a chorar
Com olhos de lágrimas sentidas
Chora lágrimas, pedras e destinos
Perdido no horizonte
Reclama num lampejar
A vida das nossas vidas
Cai do céu a verdade
Em forma de tempestade

Foto: *bem & mal* - .k&p (olhares.aeiou.pt)
1 comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal