LEVO-TE NAS MINHAS ASAS



Levo-te nas minhas asas
Leve e ágil
E a cada brisa que sentes
Fechas os olhos
E mostras como és frágil
Como uma pena
Que voa sem parar
Que não tira o olhar
Da plenitude plena
Da imensidão do horizonte
Que surge a cada instante
Levo-te nas minhas asas
Leve e frágil
Seguras-te a mim firmemente
Sinto-te em mim
Não me és indiferente
Na tua mão
Sou um perfeito manequim
Porque me fazes sentir assim
Mas…
Levo-te nas minhas asas
Leve e ágil
O teu calor interior
Ao meu corpo se transmite
E sentimos os dois o calor
De um breve e eterno amor
E eu…
Levo-te nas minhas asas
Leve e frágil

Foto: Comtemplação a dois - Pedro B (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal