FUGAZ O AMOR QUE ME DÁS



Fugazes os olhares que me atiras
Do alto do teu pedestal
Como se eu fosse a tua tormenta
E te fizesse voar sem fim
Pelos tectos do mundo em dia de temporal
Fugazes as palavras que me dizes
No silencioso balbuciar
Como se estivesses envolta
Numa bolsa de vidro
Que não consigo quebrar
Fugazes os beijos que me ofereces
Sempre em fuga constante
Como se a tua boca na minha
Não pudesse tocar
Ainda que num breve instante
Fugaz o amor que me dás
Não posso compreender
Depois de juras eternas
De um amor para a eternidade
De um amor para viver
Fugaz…
Foto: Gosti - ana.meireles (olhares.aeiou.pt)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal