TÃO LONGE E TÃO PERTO



Deixei-te sozinha a chorar
Quando precisavas de mim
Não me sinto bem agora
Quero-te compensar
Mesmo desalinhado na vida
A cair aos pedaços
Penso em ti a toda a hora
Relembro os teus traços
Esse sorriso suave
De cortar a respiração
Pode em qualquer momento
Parar-me o coração
Seria uma morte alegre
A olhar para o teu sorrir
Às vezes tenho pena
Que esse momento
Esteja tão longe de vir

Foto: s/título - Nuno André Monteiro (olhares.aeiou.pt)
2 comentários

Mensagens populares deste blogue

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

POEMA DE INDECISÃO

Natal