MAR SALGADO



Entristece-me ver-te assim
Tão sozinha e deslumbrante
Como se o mar viesse para ti
Com ar calmo e triunfante
Ao mesmo tempo doce e salgado
Mas no rebuliço das marés
Tem ar de zangado
Vem ao teu encontro
Molhar os teus pés
Mesmo assim desatinado
Vem ter contigo a medo
Sem saber quem és
Molha-te ao de leve
E esconde-se no chão
Como se uma simples pinga
De água salgada
Te tocasse o coração
Foto: Praiando III - RAPHAEL o pensativo (olhares.aeiou.com)
Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

POEMA DE INDECISÃO

ESPERA MENINA, PELO BARULHO DOS GUIZOS

Natal